Técnicas de Growth Hacking: os 5 passos de uma estratégia eficaz

tecnicas-de-growth-hacking

Nós já falamos sobre o que é Growth Hacking aqui no blog e hoje vamos falar de técnicas de Growth Hacking eficazes que você pode aplicar no seus processos de negócio.

Está interessado no artigo mas não tem tempo para ler? Aperte o play acima e ouça a versão em áudio!

Não é segredo que os empreendedores de hoje pretendem obter um bom lucro e reinvesti-lo em suas startups para um crescimento de longo prazo.

O que é importante para as iniciativas mais empreendedoras é o crescimento constante e formas engenhosas de adquirir usuários sem “quebrar o banco”.

Ao mesmo tempo, as principais técnicas de Growth Hacking não são reservadas apenas para profissionais. Qualquer pessoa que tenha as habilidades certas, o conjunto de ferramentas e motivação pode aproveitar essas táticas para aumentar o alcance de um produto dentro de um público.

Tudo o que um growth hacker faz é direcionado para um único objetivo: crescimento.

De fato, ele utiliza recursos, ferramentas e técnicas para alcançar o crescimento da base de clientes. Esse especialista deve ser a mistura perfeita de um profissional de marketing com um engenheiro que testa as melhores hipóteses e analisa os resultados correspondentes.

Acima de tudo, qualquer growth hacker quer encontrar estratégias escaláveis ​​para converter mais usuários. Ele deixa todo o resto de lado para se concentrar em penetrar em um novo mercado por meio de inovações de produtos, novos canais de distribuição e recursos baseados em tecnologia.

Leia também: Outras tendências de marketing digital que estão dominando o cenário atual!

Técnicas eficazes de Growth hacking em 5 passos

Não é segredo que as estratégias e técnicas de Growth Hacking existentes são experiências que funcionaram para empresas que as executaram.

Algumas delas são universais, o que significa que podem funcionar para qualquer tipo de negócio e vale a pena repeti-las consistentemente. Já outras, não.

Aqui estão 5 passos que qualquer empresa pode usar para aumentar o alcance de seus produtos e sua base de clientes.

#1: Focar em um problema

Você deve priorizar a solução de um único problema dentre os vários que a empresa enfrenta por vez. Geração de leads baixa? Pouco tráfego? Baixa conversão no meio do funil?

Reúna sua equipe e decida qual problema vocês vão atacar isoladamente. Em algumas situações a resolução de um problema já melhora outro automaticamente e assim você acerta duas vezes com “uma tacada só”!

Ter um foco também é fundamental para a produtividade da equipe. Se todos sabem o objetivo a alcançar, fica mais fácil reunir os melhores profissionais para compor a equipe do projeto e desenvolver as técnicas de Growth Hacking da maneira mais efetiva possível.

#2: Listar hipóteses de soluções

Após focar em um problema, distribua a função de pesquisar algumas hipóteses de soluções para toda a equipe. Em seguida, reúnam as ideias e listem quais serão usadas para realizar  testes.

É importante que haja tempo tanto para um brainstorming individual como para um brainstorming produtivo com todos os membros contribuindo para formar a lista com as melhores oportunidades de crescimento.

#3: Realizar os testes

Chegamos à parte prática das técnicas de Growth Hacking!

Antes do início do teste, organize todo o esquema das etapas e do que se espera como resultado. Isso será importante para a fase seguinte de análise das ações.

Alguns pontos fundamentais que devem ser definidos são:

  • estabelecer as métricas do teste;
  • critério de sucesso do teste;
  • responsável pelo teste;
  • pessoas envolvidas;
  • escolher as ferramentas;
  • definir o fluxo de trabalho;
  • frequência de acompanhamento;
  • anotar aprendizados;
  • levantar idéias de otimizações do teste.

exemplo-setup-teste-growth-hacking

Exemplo de setup de teste

Agora é o momento de aplicar as hipóteses levantadas por um tempo e coletar os dados obtidos como resultado.

#4: Olhar nos dados qual foi a solução mais eficaz 

A técnica de Growth Hacking aplicada realmente resolveu esse problema?

Avalie e veja os prós e contras resultantes da estratégia em questão e se há algo a melhorar.

Na prática, você pode se fazer perguntas como:

  1. Qual solução possui maior ROI de implementação?
  2. Qual solução possui menor complexidade de implementação?
  3. Qual a eficiência/sustentabilidade da solução? Ela tem efeitos no curto, médio e/ou longo prazo?

É importante que exista uma compilação de dados dinâmica que permita uma análise segura para confirmar a eficácia (ou não) daquela ação.

Confirmado o resultado positivo, o teste pode evoluir para uma ação com maior escala e que pode ser aplicada amplamente como solução oficial.

Por isso, é de extrema importância se apoiar nas métricas que realmente fazem sentido para o seu negócio.

#5: Buscar novos problemas e repetir o ciclo

Resolvido o primeiro problema, agora é hora de voltar a etapa #1 e decidir qual o próximo item da lista a resolver.

Esse ciclo é contínuo e mantém sua equipe de marketing focada na expansão constante do seu negócio.

Agora, que tal analisar alguns estudos de caso de técnicas de Growth Hacking? A seguir mostramos alguns exemplos de algumas empresas bem sucedidas.

Growth-Hacking

Exemplos de soluções com técnicas de Growth Hacking


Técnica de Growth Hacking da Uber: “Encorajando o apoio”

Com operações em 35 países e uma avaliação de mais de US$ 30 bilhões, a Uber é um exemplo de aumento gigante e desproporcional de escala.

No início, em 2009, ela era apenas uma empresa local de aluguel de automóveis, com uma plataforma combinando oferta, demanda e administração de pagamentos.

A empresa sabia que estava resolvendo uma série de problemas associados aos serviços de táxi convencionais, mas precisava de tração.

Sua base em São Francisco nos EUA foi a chave. A Uber inicialmente focou na comunidade de tecnologia, organizando eventos e – crucialmente – passeios gratuitos para os participantes.

Aqueles que usaram o serviço disseram a seus amigos sobre a experiência. O resultado foi um crescimento rápido e um modelo que poderia ser implementado em qualquer outro lugar.

Técnica de Growth Hacking da Netflix: “Fale direto com o comprador”

Assim como a Uber, a Netflix – agora gigante do mercado – também impulsionou o crescimento inicial visando uma comunidade de interesse. Em bom marketês, ela focou em um nicho. Como diz o ditado: find a niche and get rich (em tradução livre: encontre um nicho e fique rico).

A empresa começou no negócio de aluguel de DVDs. Para espalhar a notícia, utilizou quadros de avisos online e fóruns na internet, frequentados por ávidos compradores de DVDs.

A estratégia era alcançar os primeiros adeptos com uma mensagem de “lançamento suave” em que a Netflix oferecia títulos que não estavam facilmente disponíveis em outros lugares.

As expectativas ao redor da abordagem não eram altas. Esperavam que ela traria apenas alguns compradores. Para a grande surpresa do time, a Netflix passou a processar 1.000 pedidos por dia dentro de um mês, sem a necessidade de qualquer gasto de marketing convencional.

Técnica de Growth Hacking do Gmail: “Usando a escassez para criar um buzz”

Quando o Google lançou o Gmail em 2004, a empresa não era exatamente a gigantesca agregadora de dados que conhecemos hoje. Na verdade, ninguém poderia dizer com certeza se as ofertas do Google estavam à altura do Hotmail e do Yahoo.

Em meio às dúvidas, o Google transformou inteligentemente um problema em uma jogada de marketing. Com espaço de servidor limitado disponível, o Google transformou a escassez em virtude. Lançado no Dia da Mentira, o acesso ao serviço só podia ser feito através de convite, começando com cerca de 1.000 formadores de opinião que puderam indicar amigos.

Isso criou a impressão de que, ao se inscrever no Gmail, você se tornou parte de um clube exclusivo – algo que despertou interesse e demanda com um sucesso estrondoso.

Técnica de Growth Hacking do Facebook: “Dando força ao Messenger”

O Messenger foi um lançamento importante para o Facebook, permitindo que a empresa criasse um serviço de mensagens autônomo que podia ser usado por terceiros para oferecer uma gama de serviços por meio de chatbots. Em última instância, a ideia da gigante das redes sociais era incorporar o serviço como mais uma opção na rede de publicidade.

Em meio a isso, o Facebook enfrentava um desafio. Há muitas pessoas que já possuem o próprio aplicativo do Facebook em seus smartphones. Em razão disso, elas podiam questionar – por que devo baixar o Messenger se já tenho o app do Facebook?

Para combater essa resistência, o Facebook desligou progressivamente o recurso de mensagens em seu próprio aplicativo e disse aos usuários de dispositivos móveis que deveriam migrar para o Messenger se quisessem continuam usando o chat. O resultado foi uma curva de crescimento absurdamente veloz que sustentou o plano diretor de publicidade do Facebook.

Leia mais: Top 3: técnicas de marketing digital para atrair clientes.

Ideias finais

Growth Hacking tem a ver com o uso dos recursos já à sua disposição e com peneirar ideias para encontrar as soluções inspiradoras que ninguém tentou antes. Afinal, Growth Hacking é uma mentalidade.

A criatividade está no cerne do Growth Hacking, assim como a experimentação rápida para melhorar continuamente o produto.

Uma estratégia de Growth Hacking real não é apenas direcionar a demanda – trata-se de abordar pontos problemáticos e oferecer aos clientes o que eles querem.

Em última análise, as principais técnicas de Growth Hacking não se concentram apenas nas ferramentas, mas sim no produto e nos usuários.

Leia mais hacks com dicas de marketing digital que estão em alta nas empresas do Vale do Silício para se inspirar. Quer ir além? Solicite uma consultoria gratuita de Audio Marketing do Vooozer e descubra como potencializar sua estratégia de Marketing de Conteúdo.

Deixe uma resposta