Como fazer storytelling: 11 técnicas para uma história de marca incrível

como fazer storytelling

Imagine que a página “Sobre nós” é uma das páginas mais visitadas do seu site. Mas o que acontece depois? Os visitantes ficam em seu site, olham suas ofertas, entram em contato com você para obter mais informações? Ou eles desaparecem? Aprender como fazer storytelling é uma excelente estratégia para aplicar no seu site e em outras produções da sua marca.


Aproveitando que você está no Vooozer, que tal ouvir essa matéria? Clique no play acima!

Parte do truque para manter os visitantes e fazer uma boa geração de leads é contar uma história de marca poderosa, uma que agarre e mantenha a atenção como uma ótima novela ou filme.

Se você está tendo problemas para usar histórias e ter um bom marketing de resultados, experimente estas 11 técnicas de como fazer storytelling para ajudá-lo a escrever melhor a história da sua marca.

 

11 técnicas de como fazer storytelling

 

1. Aproveite o tempo para se preparar

Você usará a história da sua marca em todos os lugares – postagens de blog, ebooks, vídeos, redes sociais, discursos, chamadas de vendas, até mesmo em seu plano de negócios. A lista não tem fim.

Antes de escrever qualquer um desses materiais, você deve preparar o que quer dizer e como quer dizer isso. Por que você trataria sua história de marca de forma diferente?

Escreva a história de sua marca da mesma forma que você escreveria uma postagem no blog ou um discurso: com muito planejamento e preparação cuidadosa. Isso significa verificar detalhes e reunir muitas informações sobre o histórico da sua empresa, como datas, citações, anedotas pessoais e as motivações específicas de fundadores e executivos-chave.

Esta técnica de contar histórias garante que você tenha muito para trabalhar a cada vez que contá-la.

 

2. Concentre-se na ação

Uma história que mostra apenas o que acontece com o protagonista é chata. As histórias que descrevem a perseguição ativa de um personagem – de justiça, amor, triunfo – são muito mais interessantes porque o personagem realmente faz alguma coisa.

Como o grande dramaturgo David Mamet disse: “Se a cena o aborrecer quando você ler, tenha certeza de que vai aborrecer os atores que então levarão o sentimento ao público, e todos sentirão o desapontamento”. Concentrar-se na atividade, no drama da história, é o que mantém sua audiência comprometida e interessada.

 

3. Ignore as partes lentas

Você não precisa incluir necessariamente todos os detalhes da sua história só porque vai contá-la repetidamente. Dizer as partes mais lentas da história na hora errada ou para a audiência errada pode fazer com que eles percam o interesse.

Escolher os melhores detalhes para recontar mantém a história sempre fresca e sem aquela sensação de “já ouvi isso antes”.

A sua página “Sobre nós”, por exemplo, pode ter mais partes lentas do que um ebook ou uma chamada de vendas. Isso porque você tem mais espaço para escrever e os visitantes desta página desejam, especificamente, mais detalhes do que podem obter em qualquer outro lugar.

Considere cada oportunidade falar sobre sua marca individualmente e pergunte-se se cada detalhe é crucial para ajudar esse público em particular a entender ou fazer o que você deseja.

Leia também: 7 razões para ter um site ou blog responsivo neste post.

 

4. Combine a história ao formato adequado

Escrever para o ouvido (por exemplo, chamadas de vendas, vídeos, discursos) não é o mesmo que escrever para o olho (postagens de blog, ebooks, artigos, anúncios).

A adaptação da sua narrativa para o formato adequado impede que a história soe de maneira genérica ou ensaiada e fortalece o apelo a cada público diferente.

Ao escrever para formatos de áudio como vídeos e conversas, preste especial atenção a:

  • volume e tom de voz
  • expressões faciais
  • contato visual
  • gestos de mão
  • pausas e ritmo

Ao escrever para formatos de texto como postagens de blog e ebooks, preste especial atenção a:

  • legibilidade (pequenos parágrafos, tópicos, etc.)
  • pontuação
  • voz e estilo
  • ritmo da história

 

5. Controle o ritmo

Conte a história muito devagar e a audiência perderá o interesse. Mas, vá muito rapidamente, e eles poderão não acompanhar. Acelere e diminua o ritmo da história de acordo com a tensão, desde que você possa avaliar seu público e mantê-lo com você.

O ritmo também se aplica à velocidade com que você conta a história pessoalmente, quando você deve passar tanto a história em si como a maneira como você conta. Esta técnica de narração de histórias é crítica em vídeos, discursos, chamadas de vendas, etc, pois sua voz é o meio.

 

6. Torne pessoal

Não tenha medo de mencionar suas falhas e problemas. Isso mostra as pessoas por trás da marca, e seus clientes querem fazer negócios com pessoas – não corporações sem rosto. Na carta de acionistas de Warren Buffett de 2014, por exemplo, ele usa auto-depreciação para animar uma comunicação e o vínculo com seu público de uma forma ousada.

Essa ligação ajudou o público a conhecer, gostar e confiar nele. Então, assim, continuaram a investir. A fidelidade à marca e as compras repetidas são o verdadeiro poder das histórias pessoais e, associadas a outras técnicas de persuasão em vendas, trazem excelentes resultados.

 

7. Concentre-se no elemento humano

As histórias mais poderosas usam a emoção para se conectar conosco em nível humano. Fatos e figuras podem ser persuasivos, mas histórias são memoráveis. Em um artigo da ‘Entrepreneur’ sobre técnicas de narração de marca, o RP Kambri Crews recomenda o uso de momentos de emoção para ajudar os prospects a se conectarem ao produto ou ao serviço.

Ela ressalta como ver um vídeo de uma criança que recebe um implante coclear ouvindo a voz de sua mãe pela primeira vez é muito mais poderoso do que citar pesquisas e estudos de caso.

 

8. Destaque as apostas

Em cada história, deve haver algum tipo de conflito ou tensão. Quando você se concentra no que os personagens de sua história podem ganhar ou perder por causa desse conflito, você os faz parecer reais e envolve seu público emocionalmente.

Leitores e ouvintes se tornam interessados na ação e nos personagens da história. Eles começam a torcer pelo protagonista, querendo que ele vença os obstáculos que o ameaçam.

Concentrar-se nas apostas que envolvem a história da marca também pode ajudá-lo a desenvolver e promover sua proposta de venda única, enfatizando o problema que seus clientes têm e como você criou uma nova e melhor solução.

 

9. Siga um padrão de história clássico

Se você não sabe por onde ou como começar, uma técnica de storytelling que pode ajudar é seguir um padrão. O uso de padrões e arquétipos reconhecíveis ajuda tanto você quanto seu público a saber o que vem depois.

Embora isso possa às vezes tornar a história um pouco previsível, esses padrões clássicos existem em vários exemplos de storytelling criados por marcas.

Os padrões de história mais comuns são:

  • a jornada do herói
  • a missão, a viagem ou a aventura
  • vinda de idade ou descobrir-se
  • triunfo pessoal
  • eventos/fatos históricos

 

10. Certifique-se de ter um início, meio e fim sólidos

A ruptura de sua história nessas partes ajuda você a lembrar os momentos mais importantes da história, manter a continuidade entre os fatos e controlar o ritmo. O começo deve ligar a audiência, capturando a atenção para que continuem lendo ou ouvindo. O meio mantém esse interesse através do entretenimento e, possivelmente, da educação, enquanto o fim amarra a história e chama claramente seu público para a ação.

Leia mais: Como fazer planejamento estratégico? Confira 5 dicas que funcionam.

 

11. Crie uma história visual

O público quer ver a história, além de ler ou ouvir. Pintar uma imagem na mente da audiência, torna a sua história de marca mais interessante, mais memorável e as pessoas mais reais.

Existem três maneiras de tornar a sua narrativa mais visual:

  • Cenário: quando você se concentra na criação de um cenário, é mais fácil para os ouvintes imaginarem o lugar e a hora da história. Foi dentro ou fora? Perto de uma casa, um negócio, uma igreja, um parque? O sol aqueceu seu rosto ou a lua cheia iluminava o caminho? Se você tiver tempo, crie um cenário para a sua história. Se você não tem muito tempo ou espaço para transmitir o cenário, escolha os detalhes mais importantes.
  • Sentidos: usar todos os sentidos é outra maneira de trazer a história à vida. Isso reforça o cenário e ajuda o público a usar sua imaginação. Para cada momento da história, considere o que você (ou o personagem principal) viu, ouviu, cheirava, provava e sentia fisicamente. Você não precisa mencionar todos os cinco sentidos para cada momento, mas tente incorporá-los em toda história, se possível.
  • Visuais: os tipos de imagens que você usa na narrativa da sua marca dependem do formato, mas você deve se esforçar para usar algum tipo visual em cada uma das histórias criadas. Fotos, desenhos, gráficos, vídeos, slides, infográficos, expressões faciais, gestos – todos tornam sua história interessante e memorável.

Agora que você tem um passo a passo pode começar a colocar em prática como fazer storytelling da sua marca.

Os serviços do Vooozer ajudam a melhorar indicadores do site ou blog de empresas através dos posts em áudio. Oferecemos diversas métricas que evidenciam os resultados dos nossos serviços. Além disso, desenvolvemos análises personalizadas para mostrar resultados de acordo com a necessidade do cliente.


Deixe uma resposta