Conteudo de qualidade

O segredo da Resultados Digitais, Rock Content, Trello, Treasy e outras startups para criar um conteúdo de qualidade

Quando o assunto é estratégia de marketing digital, conteúdo de qualidade é rei!

Mas como produzir materiais que realmente acelerem o alcance da sua marca, ampliem o engajamento digital de seu público e aumentem as taxas de conversão de usuários em leads e leads em clientes? Pensando em responder a essa pergunta, conversamos com especialistas de 4 startups em amplo crescimento no Brasil: Resultados Digitais, Rock Content, Trello e Treasy.  

Tá na correria? Preguiça de ler? Aperte o play e ouça o artigo ao invés de ler!

Não é difícil entender o sucesso que o marketing de conteúdo faz. Ele custa 62% menos do que o marketing tradicional e gera aproximadamente 3 vezes mais leads, ou seja, 3 vezes mais contatos diretos com possibilidade de negócio. E isso é só o começo!

Flaubi Farias, editor de conteúdo da Resultados Digitais, destaca o conteúdo como parte de uma estratégia para manter o leitor envolvido, “O conteúdo precisa despertar algo no leitor. Pode ser emoção, em caso de construção de marca. Pode ser uma ação, em caso de conversão ou venda”, aponta.

Dessa forma, no que exatamente você deve estar atento ao conduzir sua estratégia de produção de conteúdo de qualidade, que envolva o usuário? Como melhorar um blog? Os especialistas das startups acima abriram o jogo e destacaram o que acham mais importante na hora de produzir um conteúdo que vai gerar leads e conversões.

Dicas de especialistas: 5 critérios para gerar conteúdo de qualidade

1. Linha editorial bem definida

Sobre o que você vai escrever? Qual a linguagem que irá utilizar? Qual será o propósito macro do seu conteúdo e para quem você irá desenvolver o material?

Dentro de uma estratégia de marketing de conteúdo não dá para você pegar uma folha em branco e começar a escrever sem saber para quem está escrevendo, porque está escrevendo e para qual canal o material está sendo produzido.

Mesmo quando um redator não faz parte de sua equipe fixa, ele precisa estar alinhado com a linha editorial de seu blog ou site e seguir guias básicos que orientarão a produção de um conteúdo de qualidade.

Amanda Alvernaz, Marketing Manager Brasil do Trello – o aplicativo gratuito de gerenciamento de projetos e tarefas mais famoso do Brasil – contou que mesmo quando o conteúdo é produzido por empresas parceiras ou autores convidados, ele passa por uma série de análises antes de ir ao ar.

O cuidado é para garantir que a linha editorial do Trello seja respeitada e o conteúdo chegue com qualidade ao usuário que irá ter acesso ao material. “Nós temos um guideline detalhado e super rigoroso do que nós esperamos de artigos de terceiros. Para avaliar se um escritor tem um fit bom com o nosso blog, nós nos baseamos fortemente em seus artigos anteriores assim como o pitch que eles entregaram para a gente. Isso é discutido internamente pela nossa equipe de redação”, afirma Amanda.

Mais uma dica valiosa para a produção de um conteúdo de qualidade é a utilização de parceiros, “Além dos nossos próprios redatores internos, nós também trabalhamos, ocasionalmente, com autores convidados para ajudar na criação de conteúdo para o nosso calendário editorial”, conta Amanda.

2. Resolva um problema real

Dentro das estratégias de Inbound Marketing, a produção de conteúdo tem um papel específico: fazer com que os usuários naveguem pelas etapas do funil de vendas. Para que isso aconteça, um conteúdo de qualidade precisa responder claramente às dúvidas dos leitores.

Flaubi Farias, Editor de Conteúdo da Resultados Digitais, destaca a importância de um entendimento claro sobre a sua persona para a construção de um conteúdo de qualidade, guiando o leitor nas etapas do funil de marketing, e destaca; “O conteúdo tem que falar a mesma língua da persona. Senão, o leitor não vai se identificar e não vai continuar lendo. Isto é, além do tema, tem que ter um tom de voz bem definido e um discurso alinhado aos propósitos da empresa”.

Conteúdos teóricos devem estar alinhados à dicas práticas de como resolver um problema, colocar em prática uma estratégia, implementar um novo setor, utilizar uma ferramenta, entre outras respostas que o conteúdo pode oferecer. Para André Mousinho, especialista em Marketing de Conteúdo da Rock Content, “O melhor conteúdo é aquele que responde a dúvida que levou o leitor para o seu conteúdo.”

Utilizando essa estratégia, a Rock Content conquistou o primeiro lugar para as principais palavras-chave do mercado.

Amanda Bittencourt, assistente de marketing da Treasy, startup de planejamento e controladoria orçamentária, tem a mesma opinião;  “O conteúdo realmente precisa ter resolvido um problema do leitor, para isso usamos exemplos, montamos empresas fictícias, indicamos um passo-a-passo”.

Você pode perceber essa organização nos conteúdos produzidos pela Treasy, sempre baseados em listas e em passo a passo para facilitar a leitura e o entendimento do usuário. Um exemplo é o artigo: Dificuldades na precificação de serviços? Saiba como definir preços para os serviços da sua empresa. Leia e confira na prática como aplicar o método indicado pelos especialistas na hora de construir seu conteúdo.

O conteúdo deve ser a resposta que o usuário buscava, isso causa empatia e identificação, aumentando as chances de negócio; “Após a leitura, nosso objetivo é que o leitor consiga colocar em prática (sem dificuldades) tudo que aprendeu, ou pelo menos, saiba como dar os primeiros passos. Particularmente é o critério que eu mais gosto, pois acho que é com ele que nos diferenciamos de outros blogs que só falam a teoria”, afirmou Amanda.

3. Linguagem simples e acessível

Parece fácil escrever de forma simples, mas nem sempre é. Principalmente quando o seu setor utiliza termos específicos e complicados, que não fazem parte do dia a dia da maioria dos usuários.

Nessas ocasiões em que não dá para fugir de nomenclaturas complicadas e específicas é preciso um pouco mais de atenção na hora da escrita. “Como abordamos temas difíceis (ROA, TIR, TAXA DE DESCONTO) e diversos outros assuntos financeiros complexos, tentamos trabalhar ao máximo uma linguagem simples e divertida. Conseguimos isso usando ditados populares, frases de filmes, contando uma situação engraçada, dando um exemplo do cotidiano. Usar isso principalmente na introdução, deixa o texto interessante e retém o leitor até o fim”, Amanda Bittencourt, Treasy.

4. Faça um conteúdo que será encontrado

“Não adianta criar um bom conteúdo e ele não ser encontrado, certo?”,  Amanda Bittencourt, assistente de marketing da Treasy,

Seguindo essa lógica, entra em cena um personagem conhecido: a estratégia SEO. Juntamente com a pergunta mais frequente do marketing digital: como rankear no Google?

Desenvolver um conteúdo que esteja alinhado à técnicas de SEO e que possua palavras-chave estratégicas e com bom volume de pesquisa é fundamental para ter um conteúdo de qualidade (e rankeado).

Luiza Drubscky, gerente de comunidade da Rock Content, explicou como funciona o processo de pesquisa pré-desenvolvimento de um conteúdo; “O que a gente valoriza muito aqui na Rock é que o conteúdo responda a todas as dúvidas que estiverem “embutidas” na intenção de busca da pessoa que chegar até aquele conteúdo. Fazemos pesquisas de termos relacionados nas ferramentas de palavras-chave e produzimos um material completo que responda todas essas dúvidas!”

Mas a Rock Content vai além! Ela também investe em posts em áudio com o Vooozer e com isso conseguiu aumentar em 10% o tempo médio da página. Confira o case completo aqui.

A Treasy reforça o coro; “lém de nos preocuparmos se o conteúdo é mão-na-massa e se tem uma linguagem divertida, olhamos muito para as kw (keywords) de long tails. Já no briefing definimos as que serão trabalhadas, os criadores de conteúdo tentam otimizá-las ao máximo, usando de forma coerente diversas vezes durante o texto, no título, subtítulo”, destaca Amanda Bittencourt.

Alguns sites para encontrar keywords de long tails estratégicas:

5. Atenção ao português

É preciso ter cuidado com o português ao desenvolver um texto.

“A minha dica para um conteúdo de qualidade é ter atenção na revisão do conteúdo, para que seu texto seja coeso, não seja repetitivo e não tenha erros gramaticais”, destaca Clara Borges, supervisora de marketing da Rock Content.

Então, antes de publicar um material, leia, releia e peça a alguém para revisá-lo. Manter o português em dia é fundamental mesmo em uma linguagem mais informal como no caso dos blogs posts.

6.  Invista em diferentes tipos de conteúdo

A equipe da Resultados Digitais acredita na produção de conteúdo em diferentes formatos para ampliar o alcance do seu material e trazer ainda mais relevância para o seu público; “Recomendo também que um bom conteúdo seja multimídia quando possível. Usar imagens, áudios, vídeos, tweets e outros formatos dentro do conteúdo ajuda bastante na compreensão e deixa o conteúdo bem mais atrativo.”, destaca Flaubi Farias.

Dentro desse pensamento, a Resultados Digitais investe também na produção de posts em áudio para aumentar seu alcance e com isso ampliaram o engajamento do público, que agora tem a opção de escutar seus materiais. Confira o case completo.

Nossa equipe também acredita que uma das maneiras mais interessantes de desenvolver conteúdos de qualidade é sair da mesmice e investir em tipos de conteúdo que vão além do post blog em formato de texto.

Vídeos, infográficos, e-books e áudio posts são opções que tornam sua estratégia de conteúdo mais robusta e completa, além de ampliar seu alcance e estimular um maior engajamento de seu público com sua marca.

7. Busque referências do mercado

Por último, mas não menos importante, é preciso estar atento ao que os especialistas do mercado estão realizando e desenvolvendo. Buscar referências é uma das melhores estratégias para se desenvolver um conteúdo de qualidade e uma estratégia com resultados. Foi exatamente isso o que fizemos neste artigo.

Buscamos informações com empresas referências no mercado de produção de conteúdo para oferecer a você as maiores tendências e as dicas mais relevantes do contexto do marketing de conteúdo.

Conheça a metodologia do Vooozer! Com a força dos posts em áudio, ajudamos empresas a potencializar suas estratégias de conteúdo, gerando mais engajamento dos visitantes e capturando mais leads.


 

gestao-conteudo-digital

Domine seu conteúdo usando o ciclo de gestão de conteúdo digital

O gerenciamento de conteúdo tem sido um desafio, pois as pessoas inventam novas maneiras de compartilhar informações por meio de livros, documentos, web, mídias sociais e outros tipos de conteúdo.

Que tal ouvir este artigo ao invés de ler? Aperte o play acima e aproveite!

Mais pessoas criam mais conteúdo e, graças à internet, mais pessoas têm mais acesso a eles. Basta pensar nos muitos e-mails que recebemos diariamente e nos milhões de sites, redes sociais e blogs que compartilham conteúdo em todo o mundo.

Fases no ciclo de gestão de conteúdo digital

A gestão de conteúdo digital é o processo de planejar, desenvolver, gerenciar, implantar, preservar e avaliar a produção de conteúdo relevante de uma empresa. Esse gerenciamento ajuda a controlar o aumento explosivo do conteúdo, usando-o de maneira eficaz.

Como qualquer ser humano tem um ciclo de vida, o conteúdo também tem: desde o começo (criação) até o fim (aposentadoria).

O ciclo de gestão de conteúdo digital possui seis fases:

  • Planejar;
  • Desenvolver;
  • Gerenciar;
  • Implantar;
  • Preservar;
  • Avaliar.

ciclo-conteudo-digital

Tudo começa com o(s) objetivo(s) de negócio

O(s) objetivo(s) de negócio é o centro do ciclo de gestão de conteúdo digital. É a referência para qualquer fase do processo de gerenciamento de conteúdo.

O conteúdo precisa atender a um ou mais objetivos do negócio. Cada fase do ciclo deve estar alinhada com esses objetivos.

Então, pergunte-se continuamente se o que você está fazendo no processo de gestão de conteúdo digital ainda atende aos objetivos do negócio. Se não, tenha a coragem de mudar o projeto ou mesmo de terminá-lo.

Não é coincidência colocar o processo de negócios no centro do ciclo de gestão de conteúdo digital.

Tudo neste ciclo – do planejamento à avaliação de conteúdo – tem um link direto com o processo de negócio. Se o que você faz no ciclo de vida do gerenciamento de conteúdo não tiver alinhamento com um objetivo(s) de negócio, pare de fazê-lo!

#Passo1: Planejar

Na fase de planejamento, a situação atual e os requisitos são analisados ​​e quantificados. Nesta fase, a estratégia de gerenciamento de conteúdo já está alinhada aos objetivos do negócio.

Tudo em sua organização de conteúdo – o gerenciamento de conteúdo, o responsável por conduzi-lo, o conjunto de ferramentas – deve se basear em uma estratégia de conteúdo.

Por quê? Bem, porque sua estratégia de conteúdo é uma tradução de suas metas de negócios e processos. Eles são literalmente a “razão de ser” de sua organização.

Estas são as coisas que você pode fazer na fase de planejamento do ciclo de gestão de conteúdo digital:

  • Analisar – examine o(s) objetivo(s) de negócio, processos, requisitos e analise o conteúdo e o ciclo de vida dele.
  • Quantificar – defina indicadores mensuráveis ​​para decidir na fase de avaliação se a estratégia de gerenciamento de conteúdo foi bem-sucedida.
  • Alinhar – combine a estratégia de gerenciamento de conteúdo com suas metas e objetivos de negócios.
  • Design – desenvolva sua arquitetura de informações (modelo de conteúdo, metadados, padrões, fluxo de trabalho, design de interação, etc.) e instale uma política de controle.

Leia também: Como criar um calendário de conteúdo para blog?

#Passo 2: Desenvolver

O conteúdo pode ser criado, editado, capturado, coletado ou adquirido de várias formas. Os metadados são adicionados para fornecer o contexto significativo do conteúdo.

  • Criar – crie conteúdo original usando ferramentas de edição, formulários da web e ferramentas de mídia avançada.
  • Capture – converta e integre documentos em papel, páginas da web, e-mail, documentos do Office e documentos digitalizados.
  • Coletar – colete conteúdo e organize-o em grupos lógicos.
  • Categorizar – adicione metadados para organizar, agrupar ou classificar o conteúdo de acordo com suas características específicas, permitindo pesquisa e recuperação, reutilização, rastreamento e relatório, roteamento ou entrega.

#Passo 3: Gerenciar

Nesta fase da gestão de conteúdo digital, o conteúdo é armazenado, protegido, otimizado (para pesquisa, etc.), revisado e aprovado.

  • Armazenar – coloque conteúdo em um repositório de conteúdo.
  • Segurança – atribua permissões baseadas em funções que identifiquem quem pode ler, criar, modificar, aprovar e excluir conteúdo. Uma trilha de auditoria rastreia acesso, alterações, aprovações e exclusões.
  • Rever – examine e melhore o conteúdo para maior clareza, abrangência, adequação, exatidão, localização, atualização de dados, acessibilidade e usabilidade.
  • Aprovar – autorize ou forneça uma sanção formal para publicação ou entrega de conteúdo.

#Passo 4: Implantar

O conteúdo é montado e entregue aos usuários usando diversos mecanismos e canais de publicação. Ele pode ser personalizado para atender às necessidades do usuário individual e localizado para refletir as normas regionais, nacionais ou culturais e os valores da marca.

  • Montar – agregue conteúdo em estruturas lógicas, como documentos e páginas da web, antecipadamente ou sob demanda.
  • Acessibilizar – disponibilize conteúdo para vários assinantes simultaneamente por meio de RSS, redes sociais, serviços da web, etc.
  • Personalizar – personalize o conteúdo para atender às necessidades específicas de usuários individuais.
  • Localizar – adapte o conteúdo para torná-lo apropriado para os consumidores de conteúdo que falam um idioma específico ou residem em um país ou região específicos.
  • Publicar – renderize ou envie conteúdo de um sistema de gerenciamento de conteúdo para o formato de entrega desejado.


#Passo 5: Preservar

Proteja seu conteúdo de alterações ou perdas por meio de armazenamento e backup de arquivamento. Livre-se do conteúdo que está desatualizado.

  • Arquivar – armazene seu arquivo de conteúdo de forma segura fora do sistema de gerenciamento de conteúdo para resolver problemas de responsabilidade e disponibilizar o conteúdo para uso futuro.
  • Backup – copie ou salve o conteúdo em outro local para recuperá-lo em caso de falha do sistema, erro humano ou perda catastrófica (acredite, pode acontecer).
  • Migrar – migre o conteúdo de outros sistemas ou repositórios para o seu ambiente de gerenciamento de conteúdo ou migre seu conteúdo para outro sistema ou formato.
  • Destruir – conteúdo que não é mais valioso por razões organizacionais, legíveis ou históricas, pode – e algumas vezes deve – ser destruído. Certifique-se de provar que esses itens de conteúdo são realmente destruídos.

#Passo 6: Avaliar

Este é o momento de auditar se o conteúdo ainda está atualizado, se os usuários podem encontrá-lo, acessá-lo e usá-lo e se a estratégia de conteúdo ou as metas precisam ser redefinidas.

  • Auditoria – faça um exame sistemático dos seus processos de gestão de conteúdo digital, desempenho da tecnologia, satisfação do usuário final e satisfação do cliente.
  • Mensuração – quantifique e compare os resultados da auditoria com os indicadores definidos na Fase 1 (Planejar) para determinar se o projeto foi bem-sucedido e para identificar áreas para melhoria futura.
  • Pesquisa – investigue novas tecnologias, ferramentas, design e metodologias para identificar as próximas etapas do seu projeto de gerenciamento de conteúdo.
  • Adaptar – ajuste sua estratégia para abordar os resultados de sua avaliação. Use essas informações para alterar seus planos para a próxima fase do processo de gerenciamento de conteúdo. Retornar para a Fase 1 (Planejar).

Compartilhe esse ciclo de gestão de conteúdo digital com sua equipe. Coloque-o na parede do seu escritório e discuta-o com seus colegas. Você aborda todas as fases e atividades no seu projeto?

Este esquema ajuda você a criar conscientização de gerenciamento de conteúdo em sua equipe e outras partes interessadas. E pode ser uma tática interessante para aumentar as visitas no blog ou site da sua marca de forma orgânica.

Conheça a metodologia do Vooozer. Além de publicar posts em áudio facilmente e sem esforço algum, você pode usar nosso player para capturar leads e aumentar suas vendas. Funcionalidade importante e que contribui para o sucesso da sua estratégia e gestão de conteúdo digital.

Solicite uma consultoria gratuita de Audio Marketing para descobrir como podemos turbinar seu conteúdo digital, ajudando a ampliar o engajamento e a captação de leads do seu blog.

audio-marketing

Audio Marketing: aposte nesta estratégia ainda pouco explorada de marketing de conteúdo

Nota do autor: antes que você comece a ler, te sugiro apertar o play para ter a experiência de ouvir este post em áudio, que é justamente uma das iniciativas mais bem sucedidas de Audio Marketing.

Se tem uma coisa que todo mundo gostaria de ter mais é tempo.

Uma pesquisa feita pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) para o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) detectou que o brasileiro passa, em média, 2h28 por dia no trânsito para se deslocar. Por ano são 37 dias e meio passados no carro, ônibus, metrô, moto, bicicleta ou a pé.

E todo esse tempo “livre” é preenchido com diversas atividades feitas, principalmente, no celular. Já reparou como todo mundo anda com fone de ouvido?

Diante de tantos tipos de conteúdos disponíveis na internet, criar maneiras práticas e acessíveis de consumi-los virou uma necessidade para as empresas.

O Audio Marketing é uma tendência que surge para suprir essa necessidade de consumo rápido e prático das informações que interessam ao usuário.

Podcasts, posts em áudio, audiobooks, rádio tradicional, Skype e mensagens de áudio pelo WhatsApp são formatos de conteúdo em áudio diferentes que se aliaram às estratégias de Marketing de Conteúdo das empresas.

Segundo dados de projeção do eMarketer, o investimento das empresas em áudio digital deve saltar de 15% do orçamento total, em 2015, para 25% em 2018.

Para entender melhor como o Audio Marketing vem se consolidando no cenário atual do Marketing, continue lendo este artigo.

O poder da voz

Automatizar ações sempre foi um objetivo dos desenvolvedores e um sonho para os consumidores que desejavam apenas dizer comandos de voz e ver tudo acontecer.

E esse futuro chegou mais rápido do que se esperava.

A Audible, a plataforma de audiobooks da Amazon, está super consolidada nos Estados Unidos.

Os livros podem ser comprados diretamente pela Audible da Amazon com 30% de desconto, mas o programa foi projetado para funcionar principalmente como um serviço de assinatura. Os assinantes pagam uma taxa mensal e recebem créditos em troca. Um crédito permite a compra de um livro, não importa quanto o livro custe.

A Audible possui dois planos de assinatura, Gold e Platinum, e cada um pode ser adquirido por mês ou por ano. O plano Gold dá um crédito por mês e o plano Platinum dois. Os créditos não utilizados são transferidos e ficam disponíveis por um limite de tempo em que podem ser usados que difere em cada plano.

A Alexa é outra ferramenta desenvolvida pela Amazon. O sistema foi criado para operar nos speakers inteligentes da linha Echo da marca e funciona como uma assistente virtual inteligente com capacidade de:

  • oferecer controles por voz;
  • tocar músicas;
  • fazer listas de tarefas;
  • configurar alarmes;
  • integrar aplicativos;
  • prover informações sobre tráfego, temperatura, etc;
  • controlar sistemas e aparelhos conectados.

Outras empresas como a Google com o sistema Google Home e a Apple com seu Apple HomePod também são opções no mercado de speakers inteligentes com controles por voz.

E não é só nos EUA que esse tipo de tecnologia está se tornando popular. Segundo um estudo publicado pela PwC, 59% dos consumidores brasileiros estariam interessados em comprar algum tipo de alto-falante inteligente como o Google Home ou Amazon Echo.

pwc-estudo-brasil-speakers-inteligentes

% de pessoas interessadas em smart speakers

A voz também ganhou destaque no mercado digital, usada como recurso comercial.

Os sites de grandes jornais brasileiros como UOL e Folha de S. Paulo já possuem recursos de narração robótica em suas publicações. Mas talvez você ainda não tenha notado esse recurso nesses sites, pois a narração robótica não é tão atrativa.

A narração robótica é boa para GPSs, mas não é agradável para ouvir um artigo de alguns minutos. A tecnologia está evoluindo, mas ainda está muito distante de ter variações de dicção, entonação, emoção, etc.

Os podcasts também provaram ser um excelente formato para fins publicitários. Segundo dados do relatório do Podcast Analytics da Apple, os ouvintes consomem em média 90% do áudio dos episódios e poucos são os que pulam os infomerciais. Além de serem, de acordo com o estudo, um público altamente fiel.

Tempo vs. Posts em Áudio

Quem não quer ter mais tempo? Porém, a sacada não é apenas quantidade, mas qualidade.

Nós fomos a campo e descobrimos que 83% das pessoas não leem tudo o que gostariam na internet. Afinal, a quantidade de conteúdo disponível é gigante.

As empresas que estão investindo em Audio Marketing já estão conseguindo melhorar o engajamento dos leitores.

A Rock Content, por exemplo, aumentou o tempo médio na página em 10% com a introdução de players de áudio em seus blog posts. Com um conteúdo rico e que exige atenção do usuário, os materiais da empresa servem de fonte de estudo para muitos leitores. E o áudio contribui para otimizar a dinâmica de aprendizado.

audio-marketing-case-rock-content

 

Player de áudio no blog ‘Marketing de Conteúdo’ da Rock Content.

“O resultado foi impressionante, além de auxiliar bastante a aumentar o nosso Time on Page (um dos principais fatores de SEO) o valor que gerou com o nosso público foi muito relevante. Recebemos inúmeros feedbacks incríveis que comprovaram o valor de ter a versão em áudio no nosso blog.” – André Mousinho, Especialista em Marketing de Conteúdo e SEO da Rock Content.

Vantagens de usar o Audio Marketing

Capturar mais leads

Se o seu objetivo é capturar mais leads, uma estratégia de Audio Marketing é uma excelente forma de sair do lugar comum (formulários via landing page), usando uma forma inovadora de capturar o e-mail dos seus visitantes.

A Resultados Digitais investiu no Audio Marketing para atingir seu objetivo de captura de leads. A empresa implementou os posts em áudio nos artigos do site e aumentou a captura de leads do blog em mais de 7%.

No sistema do próprio player vem embutido um campo que o usuário precisa preencher para liberar o acesso ao áudio do post.

“Na Resultados Digitais usamos (o Audio Marketing) de duas formas: na narração de posts e em audiobooks. Além de melhorarmos a experiência do usuário, dando uma nova opção para ele consumir o conteúdo, também estamos gerando muitos Leads com a ferramenta.” – Flaubi Farias, Editor de Conteúdo da RD.

post-em-audio-case-RD

Player de áudio na página do blog Resultados Digitais

Facilitar a vida do usuário

O principal feedback que os usuários dão em relação aos posts em áudio é a facilidade de consumir o conteúdo.

O formato em áudio permite que o público ouça em qualquer lugar. Lembra daquelas 2h28 minutos em trânsito que citamos lá no começo do post? Elas podem ser melhor aproveitadas.

E as empresas que vão proporcionar uma experiência de aprendizagem via Audio Posts podem sair na frente (hoje a única alternativa são os Podcasts, que representam uma fração microscópica de todos os conteúdos disponíveis na internet).

posts-em-audio-case-rd

posts-em-audio-case-rd-2

posts-em-audio-case-rd-1

Mais engajamento com o conteúdo

O Agendor investiu no Audio Marketing para trazer mais engajamento digital do seu público-alvo e também facilitar o aproveitamento do conteúdo pelo seu próprio time.

Segundo Fernanda Balieiro, Analista de Marketing de Conteúdo do Agendor, “o Audio Marketing chegou no momento mais oportuno para nós, quando estávamos levantando informações sobre quais seriam os melhores formatos de materiais para nossos clientes e leitores consumirem conteúdos.”

E ainda completa sobre essa experiência na prática:

“A rotina dos profissionais de vendas (nosso público) é muito dinâmica, sempre no trânsito, na estrada ou em visita. Por isso é muito comum que o vendedor não consiga tempo para colocar a leitura em dia. Ao contratarmos o Vooozer, tivemos:

  • acesso a diferentes narradores;
  • possibilidade de solicitar edições nas narrações;
  • aprovação de cada gravação;
  • inserção do código de incorporação do player na página do post, diretamente no blog.

Tudo bem simples! Depois disso, começamos a receber os retornos, extremamente positivos, o que nos motivou a investir em novas ações, como conteúdos especiais em áudio, além de audiobooks. Quais os resultados disso tudo? Uma base cada vez mais engajada e informada sobre nosso cenário.”

Atrair a atenção dos leitores

Um dos grandes inimigos da leitura são as constantes distrações. E o áudio prende a atenção dos leitores na tarefa que está sendo executada.

Dados da plataforma de áudio do Vooozer mostraram que quando uma pessoa começa a ouvir um post em áudio, há 34% de chance de ela ouvir o conteúdo inteiro. Na média, o áudio engaja visitantes por mais de 3 minutos.

Ouvir enquanto faz outras coisas

Outra vantagem que o Audio Marketing traz é a de unir atividades. Principalmente, se seu público-alvo é do tipo multitarefa e não para para fazer um trabalho exclusivamente.

Como no exemplo abaixo do Paulo Roberto, que consome materiais em áudio enquanto edita seu material fotográfico.

audio-marketing-depoimento

Recapitulando, o Audio Marketing reforça uma estratégia de Marketing de Conteúdo:

  • Auxiliando quem tem dificuldade na leitura;
  • Aproximando mais a audiência da marca;
  • Permitindo o consumo de conteúdo simultâneo a outras atividades, como dirigir, trabalhar;
  • Deixando o conteúdo mais humanizado;
  • Gerando leads para serem nutridos com novos conteúdo.

Inovar faz parte da sua rotina como profissional de marketing. É preciso se reinventar constantemente para todo o funil da sua empresa funcionar e bater a meta no final do mês com sucesso!

Por isso, o Audio Marketing é uma das estratégias que chegou para ficar e não pode estar fora do seu plano. É fácil implementar essa iniciativa através do Vooozer, pois não envolve outros especialistas como programadores, designers ou redatores e tem um excelente custo benefício. Então é algo que vale muito a pena experimentar e incluir nas suas ações inovadoras assim que possível.

Empresas referência em Marketing de Conteúdo como Rock Content e Resultados Digitais já investem no Vooozer para aumentar o engajamento de seus blogs e bater as metas de captação de novos leads.

Vamos começar hoje mesmo a mudar essa realidade para seu blog/site também? Marque uma consultoria gratuita de Audio Marketing com nossos especialistas. Será um prazer te ajudar a alcançar suas metas de marketing!


comprar-conteudo-para-blog

Comprar conteúdo para blog ou produzir internamente: 6 maneiras de criar conteúdo

Seja terceirizado ou feito internamente, é importante ter um fluxo de conteúdo consistente.

Se você está começando um negócio e precisa de uma presença online, não é possível ignorar o Marketing de Conteúdo. Depois de determinar quem é seu público-alvo e alinhar seus tipos de conteúdos com sua estratégia de otimização de mecanismos de pesquisa (alô, SEO!), você precisará produzir e publicar o conteúdo.

Por que ler se você pode ouvir? Aperte o play e aproveite a comodidade de ouvir este artigo!

As empresas que obtêm sucesso com Marketing de Conteúdo têm uma coisa em comum: são consistentes.

Não importa se você publica postagens mensais, semanais ou diárias em seu blog, você tem que se manter consistente e ter uma frequência de publicações.

Aqui estão seis maneiras de ajudar você a gerar conteúdo para o seu site, permitindo que você publique conteúdo que atenda às suas necessidades de marketing. E mais uma dica bônus com as perguntas essenciais ao considerar comprar conteúdo para blog de uma empresa ou freelancer terceirizado.

6 maneiras de criar conteúdo para o blog do seu negócio

1. Terceirize suas necessidades de conteúdo

Nem todo proprietário de empresa terá tempo ou experiência para criar conteúdo de alta qualidade regularmente.

Contratar um redator interno nem sempre é uma opção devido ao custo, então comprar conteúdo para blog com algum terceirizado passa a ser uma opção. Há muitos freelancers qualificados por aí que você pode contratar para lidar com todas as suas necessidades de conteúdo.

Pode levar algum tempo de pesquisa – e análise de conteúdos de teste – antes de encontrar o redator perfeito que tenha conhecimento do seu setor e uma voz que corresponda à sua marca.

Herbert Wright, CEO da GreatPaper, tem uma ótima dica para encontrar escritores qualificados:

“Há muitos freelancers por aí que simplesmente encontrarão um artigo online semelhante ao seu tópico solicitado e o reescreverão um pouco, em um esforço para passá-lo como conteúdo original. Ao testar novos freelancers, forneça tópicos obscuros relacionados ao seu negócio, mesmo que você não planeje usar o conteúdo no seu site depois. Isso lhe dará um exemplo de seus verdadeiros recursos e estilo de escrita”.

2. Permitir guest posts de dentro do seu setor

Todo mundo quer fazer guest posts nos dias de hoje. E este pode ser um recurso ao invés de comprar conteúdo para seu blog.

Se você abrir seu blog para envios de postagens de convidados, você receberá muitas solicitações e a maioria não será relevante para seu público-alvo. Então, seu trabalho deve se concentrar em encontrar boas fontes de conteúdo.

Aqui estão algumas dicas para ter em mente se você decidir fazer isso:

  • Publique conteúdo de colaboradores que estejam ativamente envolvidos em seu setor e tenham seguidores importantes nas redes sociais. Isso ajudará você a gerar mais tráfego para seu site por meio de compartilhamentos nas redes sociais.
  • Certifique-se de que os links nas biografias dos colaboradores estejam relacionados a sites relevantes e de qualidade.
  • Contrate um freelancer para revisar e editar todos os seus envios – lembre-se de que tudo o que você publicar é um reflexo direto de sua empresa.

3. Conduza entrevistas usando o Help A Reporter Out (HARO)

Se você tiver um público interessado em ler entrevistas em nível de especialista, convém criar uma conta no HARO, um tipo de fórum.

Essa é uma ótima opção para empresas que já possuem alguma tração de marketing de conteúdo, já que seu site e blog precisam ter alta qualidade e já receber números de tráfego decentes para enviar consultas.

Você pode enviar perguntas sobre qualquer tópico e, em seguida, classificar as respostas para encontrar assuntos que dariam uma ótima entrevista.

Mas fique atento para fazer uma boa curadoria das respostas e estar preparado para receber muitas que não estarão relacionadas ou terão a qualidade necessária.

4. Crie seu conteúdo internamente

Algumas empresas preferem criar seu conteúdo internamente do que comprar conteúdo para blog. Se você tiver recursos para isso, é uma ótima opção.

Converse com seus funcionários em busca de conteúdo – você nunca sabe se tem um ótimo escritor na equipe, a menos que pergunte.

Você pode até criar concursos divertidos, concedendo um cartão-presente ao funcionário que publicar a postagem do blog com o maior número de visualizações e compartilhamentos sociais a cada mês.

O conteúdo que vem de sua equipe tem uma sensação mais autêntica, ajudando os consumidores a se conectarem com sua marca. Além de serem escritos por profissionais altamente especializados no seu setor, não é mesmo?

Leia também: Engajamento digital: dicas para aumentar o engajamento do blog.


5. Abra um fórum para iniciar discussões

Há muitas indústrias que têm um número enorme de seguidores e infinitas possibilidades de tópicos. Incluir um fórum no seu site gera discussões – permitindo que os visitantes iniciem novos tópicos e se envolvam com as discussões atuais.

Esta é uma ótima opção se você tiver um grande público, porque você terá um novo conteúdo postado o tempo todo. Desde que seu fórum esteja otimizado e definido para ser indexado nos resultados da pesquisa, você pode atrair muito tráfego orgânico.

Os grupos em redes sociais também são outra alternativa. Para que as pessoas entendam claramente o objetivo do grupo, crie diretrizes para orientar as discussões, debates e reforce os comportamentos e mensagens que não serão tolerados. Assim, você gerencia cada canal dentro da sua função e o espaço criado para trocar de ideias e conteúdo não vira um canal de reclamações.

Extra: Você pode criar enquetes em suas redes sociais para decidir e descobrir interesses do seu público-alvo. Redes como Facebook e Twitter têm essas opções disponíveis.

6. Reescreva o conteúdo antigo

A remoção do conteúdo antigo do site/blog nem sempre é uma estratégia interessante. Ao invés de removê-los é mais interessante reescrevê-los, atualizando os dados e acrescentando novas informações para que estes textos possam rankear melhor e aparecerem nos resultados das buscas.

Anos atrás, era prática comum lançar postagens de blog de 500 palavras que eram fortemente otimizadas para palavras-chave. A qualidade do conteúdo não era considerada – coisas como a densidade de palavras-chave eram o foco principal.

Se você tiver conteúdo antigo em seu blog que não esteja de acordo com os padrões de hoje, considere reescrevê-lo e otimizá-lo com os padrões atuais de SEO.

Você já tem o tópico e o foco principal do conteúdo, por isso, será necessário menos esforço do que se você estivesse começando uma nova postagem do zero.

Se você retrabalhar todo o conteúdo mais antigo, melhorará muito seus resultados de marketing de conteúdo.

Bônus: considerações gerais ao comprar conteúdo para blog

Você decidiu que irá comprar conteúdo para blog. Mas você já se perguntou que tipo de abordagem de conteúdo é ideal para você?

Abaixo listamos quatro perguntas para fazer ao seu candidato a provedor de conteúdo:

  1. O provedor de conteúdo tem algum tipo de garantia de que o conteúdo criado é único?
    Eles testam todas as partes de conteúdo criadas no Copyscape ou outro software para verificar se ele não está duplicado em nenhum outro lugar?
  2. O provedor de conteúdo tem suporte ao cliente por telefone ou e-mail?
    O suporte ao cliente pode garantir que você terá as suas necessidades atendidas. Isso é básico e algo fácil de ignorar…até você precisar.
  3. Você precisa fazer a pesquisa de palavras-chave necessária para a estratégia de conteúdo ou o provedor de criação de conteúdo faz isso?
    Fazer pesquisa de palavras-chave para identificar palavras-chave primárias e secundárias poderosas para cada página pode ser um processo demorado e desafiador. A empresa com a qual você trabalha para criar conteúdo de site/blog treinou especialistas em estratégia de conteúdo para realizar essa tarefa antes de criar o conteúdo?
  4. O provedor de conteúdo oferece a você a oportunidade de visualizar uma amostra de conteúdo durante o processo de criação?
    Isso ajuda você a identificar se o conteúdo atende aos seus padrões editoriais e às necessidades do seu site até que tudo esteja alinhado para essa produção se tornar automática.

A mesma estratégia de conteúdo não é adequada para todos os sites. É importante considerar os custos, benefícios e riscos de comprar conteúdo para blog, bem como sua capacidade interna de criar conteúdo e gerenciar todo o processo.

83% das pessoas não consegue ler tudo que gostaria na internet. E você mesmo já deve ter passado por isso: querer ler algo, mas faltar tempo ou disposição?

Com a metodologia do Vooozer, além de publicar posts em áudio facilmente e contratar pacotes de narração, você pode suprir essa necessidade do usuário usando nosso player para capturar leads e aumentar suas vendas. Além de melhorar a experiência do usuário, facilitando a forma como ele consome seu conteúdo.

A Rock Content é um dos nossos cases de clientes e conseguiu aumentar o engajamento dos seus visitantes em mais de 10% através do nosso player. Solicite agora mesmo uma consultoria gratuita de Audio Marketing e descubra o que nossa metodologia pode fazer pela sua estratégia de conteúdo!

producao-conteudo-digital

Produção de conteúdo digital: como elevar o nível do seu marketing de conteúdo

Se você trabalha com produção de conteúdo digital, em estágio avançado ou intermediário de Marketing de Conteúdo, é altíssima a probabilidade de você estar negligenciando um comportamento importante da sua persona.

Você pode pensar: “Eu não. Estudei como criar minha persona extensivamente, durante meses.”

Mas será mesmo? Minhas pesquisas indicam o contrário.

E digo mais: os indícios são tão fortes e nítidos que eu larguei meu emprego anterior para fundar uma startup que resolve esse problema negligenciado na produção de conteúdo digital.

Vou jogar limpo com você sobre esse assunto e mostrar como cheguei a essa conclusão, pois é algo alarmante para todo mercado.

Com a produção de conteúdo digital cada dia mais em alta, você não quer ficar pra trás certo? Então, vamos começar entendendo o problema.

O problema é real: somos a prova disso

Como disse, fundei uma startup (junto com o Mateus, meu sócio) que resolve o problema que a maioria dos profissionais de Marketing de Conteúdo está negligenciando.

Em menos de dois anos nossa empresa:

Ou seja, o problema é real, se não a gente não teria conquistado tudo isso, concorda?

Do começo: persona

Todo profissional de Marketing de Conteúdo que se preze está rotineiramente focado na sua persona. Esse é um grande desafio, pois todos temos nossos vícios de comportamento, de linguagem, de pensamento e assim por diante.

Logo, se colocar na mentalidade e na rotina de uma outra pessoa é realmente desafiador.

André Mousinho, especialista de Marketing de Conteúdo na Rock Content, resumiu essa questão muito bem:

“A princípio topei a parceria um pouco relutante, sem colocar muita fé. Porém, não faria sentido dizer não sem testar e ver a reação da minha persona. Afinal, o blog é para ela e não para mim.”

Por mais desafiador que seja, é fácil descobrir várias coisas relevantes sobre a sua persona. Basta fazer testes, pesquisas ou procurar por pesquisas públicas já executadas.

A gente entrou nessa história toda por causa de uma única pesquisa e alguns testes. Foi assim que descobrimos a grande negligência do mercado de conteúdo que vou contar já, já.

Pesquisa: revelação ou confirmação?

Ao fazer pesquisas, é preciso ter muito cuidado para não ser tendencioso. É uma linha tênue entre buscar uma revelação, estar aberto a descobertas e quebrar paradigmas ou querer muito confirmar uma forte suspeita sua.

Você pode elaborar pesquisas e contar com a sua rede de contatos para ter uma base de respostas relevante. Também pode contratar empresas especializadas ou procurar por pesquisas públicas.

Essa última opção é das mais ignoradas. Às vezes, o profissional de Marketing de Conteúdo fica tão focado na sua persona, no seu nicho, que esquece que existem questões macro que influenciam o seu nicho de mercado.

Impactos macro

As questões macro podem ser relacionadas ao comportamento das pessoas. Por exemplo, a popularização de smartphones impacta diretamente o comportamento.

Esse impacto pode ser tão generalizado que irá afetar inúmeros nichos. Quanto mais macro o impacto, maiores as chances da sua persona também ser afetada.

Nesse exemplo da popularização de smartphones, você não precisa fazer uma pesquisa específica da sua persona para saber as chances dela ter um smartphone.

Para isso, já existem pesquisas públicas que revelam esse cenário no Brasil, como uma pesquisa da FGV, que revela que existem mais de 220 milhões de smartphones ativos no país.

A descoberta que fizemos em nossa primeira pesquisa é justamente nessa linha. É algo que afeta tão fortemente a tantas pessoas – homens e mulheres, de diferentes faixas etárias – que eu tenho certeza que a maior parte do seu público-alvo também é impactada por esse problema.

A descoberta: algo pior do que você poderia imaginar

Você que trabalha com conteúdo sabe da força dessa estratégia quando bem elaborada e executada.

Blogs saem do anonimato e alcançam centenas de milhares, se não milhões de visitas mensais, com a força do tráfego orgânico de seus posts.

Mas e se você descobrisse:

  • que seu conteúdo está sendo subutilizado?
  • que sua estratégia de conteúdo, que funciona e tem ROI positivo, está focada na minoria do seu público-alvo?

Você continuaria fazendo tudo exatamente igual?

Para romper um paradigma e provar que o mercado de Marketing de Conteúdo está anos atrasado em relação ao comportamento das pessoas, nós fizemos uma pergunta objetiva para centenas de pessoas:

Você consegue ler tudo que gostaria na internet?

E eis que a voz do povo revelou a verdade que a maioria dos profissionais de Marketing de Conteúdo está negligenciando:

83% das pessoas não leem tudo que gostaria na internet.

Isso mesmo. Homens, mulheres, jovens, adultos e pessoas da terceira idade. A maioria absoluta das pessoas não dá conta de fazer a leitura na internet de tudo que gostariam.

Sabe aquele post épico que vai atrair milhares de visitas do seu público-alvo?

  • 83% dessas visitas serão fogo de palha, pois 83% das pessoas não vão ler seu post épico mesmo estando interessadas nele.
  • 83% das pessoas ignoram seus textos mesmo tendo interesse. É algo surpreendente e assustador.

Esse é o resultado atualizado da nossa pesquisa de 2018 – em 2016, essa taxa era de 73%.

Aprofundando os números: os motivos

Se você está duvidando desse número preocupante, sugiro que você faça um breve exercício.

Pergunte às pessoas da sua equipe, amigos e familiares: você consegue ler tudo que gostaria na internet? Não adianta ignorar ou duvidar do problema, ele existe mesmo se você não souber.

O melhor a se fazer é surfar na onda que o problema traz e descobrir uma oportunidade. Digo isso com base nos motivos das pessoas para não conseguirem manter seu hábito de leitura elevado:

  • 35% não conseguem ler tudo o que gostariam na internet porque existe muito conteúdo interessante.

Isso é ótimo! É sinal de que os profissionais de conteúdo estão produzindo textos realmente interessantes e as pessoas estão conseguindo encontrar esses materiais.

  • 28% não conseguem ler tudo o que gostariam na internet por falta de tempo.

Esse motivo e o anterior andam de mãos dadas. São praticamente a mesma coisa, já que o excesso de conteúdo é refletido como falta de tempo e a falta de tempo existe pelo excesso de conteúdo.

Por último:

  • 30% não conseguem ler tudo o que gostariam na internet por preguiça ou falta de disposição.

Caso você ainda esteja preocupado, não fique. Todas essas pessoas que afirmam não dar conta de ler o que gostariam estão afirmando estarem interessadas nos conteúdos.

Se você prestou bastante atenção até aqui, já deve ter entendido o real problema: o formato do conteúdo e não o conteúdo em si. O problema é a limitação do formato texto.

Produção de conteúdo digital: formato vs. conteúdo

Se a pessoa está interessada em um texto e mesmo assim não o lê, não adianta tentar fazer seu texto ser ainda mais atraente.

Técnicas de copywriting, de redação, formatação do texto e muitas outras coisas influenciam no quanto um material será lido, é claro. Mas a força desses elementos tem um limite.

De um determinado ponto em diante, não importa o quão interessada a pessoa está, ela simplesmente vai colocar na balança e ver que não tem tempo ou energia para tal leitura.

Saber fazer e identificar um conteúdo de qualidade não basta. Também é preciso se aprofundar sobre os formatos de conteúdo.

Vivemos em uma era multimídia e os mais de 220 milhões de smartphones no Brasil podem reproduzir inúmeros formatos de conteúdo.

A solução: a voz humana

Se juntarmos todas as peças que apresentei até aqui, a solução parece até óbvia.

Se uma pessoa não tem tempo para ler um texto, então outra pessoa poderia ler para ela em voz alta.

E por que não aplicar o mesmo conceito ao Marketing de Conteúdo?

É aqui que entra a tecnologia do Vooozer, a startup que eu citei lá no começo.

Uma solução completa com preços acessíveis que permite que qualquer empresa ofereça conteúdos em áudio no seu site ou blog. Tudo em poucos cliques, sem muitos pré-requisitos técnicos e sem dor de cabeça.

Afinal, se 83% das pessoas desistem da leitura mesmo estando interessadas, faz todo sentido oferecer um formato de conteúdo que possua vantagens em relação ao texto.

Esse formato é o áudio.

É através da voz humana que estamos suprindo as limitações do texto. Através da nossa metodologia 2PL de Posts em Áudio:

  • batemos mais de 400.000 reproduções de posts em áudio para os nossos clientes;
  • aumentamos em 10% o Tempo Médio na Página de posts da Rock Content;
  • aumentamos em 7% a captura de leads do blog da Resultados Digitais.

Audio Marketing: seu novo melhor amigo

A estratégia que usa a voz como recurso de marketing é chamada de Audio Marketing. Afinal, estamos falando de negócio aqui não é mesmo? E esta pode ser a estratégia perfeita, seja para começar ou reestruturar a produção de conteúdo digital do seu negócio.

A força do áudio é tão predominante que muitas tecnologias usam os comandos de voz de forma inovadora. Produto como a Siri assistente de voz do iPhone, o Audible a plataforma de audiobooks da Amazon – que mudou a leitura virtual nos EUA – e o Google Home são alguns exemplo.

E, claro, não poderíamos esquecer do bom e velho podcast. Dentre outras plataformas de áudio.

Trazer o Audio Marketing para a realidade do seu negócio é criar um novo vínculo com a sua persona. É uma forma de sanar de vez a sua maior dor: falta de tempo para ler.

Com os posts em áudio, você abre a possibilidade de seu público conciliar duas atividades ao mesmo tempo. Por exemplo: ouvir um post e se concentrar nas edições de uma foto.

Nossa pesquisa de campo mostrou ainda que quando uma pessoa começa a ouvir um post em áudio, há 34% de chance dela ouvir o conteúdo inteiro. Na média, posts em áudio engajam visitantes por 3 minutos.

Conclusão: e agora?

Sabe quando sua persona está dirigindo no trânsito e não consegue ler? Ela pode ouvir.

Ou quando ela está andando na rua, passeando com o cachorro ou indo para o trabalho e não consegue ler. Ela pode ouvir.

Na academia. No metrô. Enquanto cozinha. Ao lavar a louça. E até mesmo de olhos fechados! Ela pode ouvir.

Em todas essas situações sua persona não pode ler textos. Essa é limitação dela, que precisa dos olhos para ler e das mãos para segurar o objeto de leitura.

Mas se a sua persona não pode ouvir os textos do seu blog porque você não publica posts em áudio, a limitação é da sua estratégia. Da sua empresa.

E essa responsabilidade já sabemos de quem é: do profissional de Marketing de Conteúdo.

Consultoria Gratuita de Audio Marketing

Se você chegou até aqui, está interessado em resolver esse problema, certo?

Você quer converter esses 83% em leitores ativos e fieis da produção de conteúdo digital que sua equipe cria com tanta afinco.

Pode contar com a nossa ajuda!

Uma parte importante do trabalho aqui no Vooozer é desbravar o Audio Marketing no Brasil e informar ao mercado aquilo que testamos e validamos com nossos parceiros.

O comportamento das pessoas mudou e o mercado pode (e precisa) reagir. Temos parceiros referências de mercado e dezenas de clientes que atestam a validade da nossa metodologia 2PL.

Vamos começar hoje mesmo a mudar essa realidade para seu blog/site também? Marque uma consultoria gratuita de Audio Marketing com nossos especialistas. Será um prazer te ajudar a alcançar suas metas de marketing!